O caso Henrik / The Henrikgate

Existe uma figura na realeza europeia que de tempos a tempos (com mais frequência do que seria desejado!) decide brindar-nos com alguns requintes de petulância e (porque não?) infantilidade. Estou a falar do Príncipe Henrik da Dinamarca, marido da Rainha Margrethe II.
There is a figure in the European royalty who from time to time (more often than would be desired!) decides to spoil us with some refinements of petulance and (why not?) childishness. I'm talking about Prince Henrik of Denmark, husband of Queen Margrethe II.

Embed from Getty Images

Henrik, 83 anos, reformou-se a 1 de Janeiro de 2016 dos actos oficiais. No discurso de Ano Novo em 31 de Dezembro de 2015, a Rainha, sua esposa, informou a nação da decisão do marido. Ainda em 2016, a Casa Real Dinamarquesa informou que Henrik recusava o título de Príncipe Consorte, que ostentava desde 2006.
Ontem a Casa Real Dinamarquesa divulgou, quiçá,  aquele que foi o comunicado oficial mais estranho de sempre:
Henrik, 83, retired on 1 January 2016 from official acts. In the New Year speech on December 31, 2015, the Queen, his wife, informed the nation of her husband's decision. Still in 2016, the Danish Royal House reported that Henrik refused the title of Prince Consort, which he had since 2006.
Yesterday the Danish Royal House released, perhaps, the most strange official annoucement ever:

"A casa real anunciou hoje que a Sua Alteza Real, o Príncipe Henrik, não quer ser sepultado na Catedral de Roskilde, como já tinha sido planeado.
A decisão do Príncipe implica que não será sepultado ao lado de Sua Majestade Rainha no sarcófago desenhado pelo professor e escultor Bjørn Nørgaard.
A Rainha já sabe há algum tempo da vontade de Sua Alteza Real e concorda com a decisão. A decisão do Príncipe não muda os planos de funeral da rainha.
Fala-se nos media que o Príncipe quer ser sepultado na França. Isso não está correto. O príncipe ainda quer ser enterrado na Dinamarca, mas as circunstâncias ainda não estão claras. " 
"The royal house has today announced that his Royal Highness Prince Henrik does not want to be buried in Roskilde Cathedral, as it has otherwise been planned.
The Prince's decision implies that the Prince will not lie next to her Majesty Queen under the sarcophagus that Professor and sculptor Bjørn Nørgaard has prepared.
The Queen has for some time been familiar with the decision of the Royal Highness and agrees with the decision. The Prince's decision does not change the Queen's funeral plans.
It has been promoted in the media that the Prince wants to be buried in France. This is not correct. The prince still wishes to be buried in Denmark, but the circumstances are not yet in place. "

Tanto para dizer...
So much to say ...

1) Não entendo porque razão este comunicado foi feito agora. Quem lê pensa imediatamente que Henrik está às portas da morte, e apesar da idade, da recente intervenção cirúrgica a que foi sujeito, e à sua por vezes aparente insanidade mental, nada leva a crer que algo está errado com a sua saúde. E por isso, a meu ver, este comunicado é de interesse imediato irrelevante. Mas também entendo que estas coisas sejam (e devam!) ser preparadas com antecedência e pelo menos daqui a uns anos não somos surpreendidos com o facto do casal real da Dinamarca não ser sepultado lado a lado como é tradição.
1) I do not understand why this statement was made now. Who reads this immediately thinks that Henrik is at death's door, and despite his age, his recent surgical intervention, and his sometimes apparent mental insanity, there is nothing to suggest that something is wrong with his health. And so, in my view, this statement is of immediate irrelevant interest. But I also understand that these things are (and must be!) prepared in advance, and at least a few years from now, we are not surprised that the Denmark's Royal Couple is not buried side by side as is tradition.

2) Existe toda uma história por detrás desta decisão de Henrik e, arrisco a dizer, de todas as decisões que ele tem tomado, sempre com o "apoio" da sua esposa, nos últimos anos. É conhecido o desconforto e insatisfação de Henrik com o papel e título que lhe foi atribuído pela monarquia dinamarquesa.
Henrik nunca escondeu, inclusive durante conferências de imprensa a sua revolta por, enquanto esposo da Rainha, não ter o título de Rei. A revolta é tanta que a mágoa se estende inclusivamente ao seu filho mais velho, o Príncipe Herdeiro Frederik, herdeiro aparente do trono.
2) There is a whole story behind this decision and, I dare to say, all the decisions he has made, always with the "support" of his wife in recent years. Henrik's discomfort and dissatisfaction with the role and title attributed to him by the Danish monarchy is well-known.
Henrik never hid, even during press conferences, his revolt, for not being styled as King. The revolt is so much that the sorrow extends even to his eldest son, Crown Prince Frederik, heir apparent of the throne.

Embed from Getty Images


Em 2002, na impossibilidade da Rainha Margrethe II comparecer a uma das Recepções de Ano Novo, foi substituída pelo Príncipe da Coroa Frederik. Henrik, revoltado por ser remetido para número 3, fez birra e fugiu para França, onde ficou durante semanas. Segundo consta, terá sido Daisy a viajar para França e trazer o marido de volta. 
In 2002, in the impossibility of Queen Margrethe II attending one of the New Year's Receptions, she was replaced  by Crown Prince Frederik. Henrik, revolted for being sent to number 3, made a tantrum and fled to France, where he stayed for weeks. As it turns out, it was Daisy to travel to France and bring her husband back.

Embed from Getty Images

Ora bem, segundo Henrik, ele deveria ser parceiro de vida de Margrethe tanto no casamento como no estatuto oficial. Isso implicaria, segundo vontade de Sua Alteza Real, que ele como marido da Rainha, tivesse o título de Rei. Segundo Henrik, não faz sentido que uma mulher que case com o Rei seja conhecida como Rainha, enquanto que o homem que case com uma Rainha por direito, tenha "apenas" o título de Príncipe Consorte (na melhor das hipóteses).
Well, according to Henrik, he should be Margrethe's life partner in both marriage and official status. This would imply, according to His Royal Highness, that he as Queen's husband should be known as King. According to Henrik, it makes no sense for a woman to marry the King to be known as Queen, whereas the man who marries a Queen by right, have "only" the title of Prince Consort (at best).

Embed from Getty Images

E eu concordo com Henrik. A sério?? A sério! Este argumento, na minha opinião é perfeitamente legítimo. E penso que é super incoerente, numa altura em que se fala da igualdade de género como um dos objectivos para um desenvolvimento sustentável, que tal não aconteça.
And I agree with Henrik. Seriously?? Seriously! That argument, in my view, is perfectly legitimate. And I think it is super inconsistent, at a time when we talk about gender equality as one of the objectives for sustainable development, if that does not happen.

Embed from Getty Images

Reparem, durante séculos, as mulheres tiveram um papel considerado inferior na sociedade. Ainda hoje são poucas as mulheres a assumirem papeis de liderança em determinadas esferas profissionais. Falando em monarquias, são vários os exemplos em que apenas nos últimos 100 anos, as mulheres se igualaram aos homens na linha de sucessão ao trono. Ainda hoje a palavra "Rei" assume uma conotação superior do que a palavra " Rainha", e é essa parte da razão pela qual a esposa de um Rei é Rainha, mas o esposo de uma Rainha, dificilmente recebe o título de Rei. Esta diferenciação servia para afirmar o poder soberano de uma Rainha por direito. Durante anos também serviu para que um Príncipe Consorte não tivesse um papel constitucional assegurado no seio de uma monarquia, da mesma forma que tal também não existe para as funções de uma Princesa da Coroa, ou em alguns casos, Rainha Consorte.
Think about it, for centuries, women played a role considered inferior in society. Even today, few women are taking leadership roles in certain professional fields. Speaking of monarchies, there are several examples in which only in the last 100 years, women have equaled men in the line of succession to the throne. Even today the word "King" assumes a higher connotation than the word "Queen", and it is this part of the reason why the wife of a King is a Queen, but the husband of a Queen, hardly receives the title of King. Such Differentiation served to assert the sovereign power of a Reigning Queen. For years it also served for a Prince Consort not to have a constitutional role secured within a monarchy, as it still happens regarding the functions of a Crown Princess and, in some cases, even a Queen Consort.

King D. Fernando II of Portugal by Manuel Maria Bordalo Pinheiro (via Wikipedia)

A Dinamarca segue o exemplo de países como o Reino Unido e a Holanda, cujos maridos das Rainhas reinantes recebem o titulo de Príncipe Consorte. Em Portugal, por exemplo, de acordo com a Lei regente no tempo nas monarquias, o marido de uma Rainha Reinante era Príncipe Consorte, até ao nascimento do primeiro filho do casal. Após esse feliz acontecimento o Príncipe receberia o título de Rei.
O nosso último Rei de Portugal nestas condições foi D. Fernando II (1816-1885), marido de D. Maria II (1819-1853). Ou seja, Portugal foi muito à frente no seu tempo!!
Denmark follows the example of countries like the United Kingdom and the Netherlands, whose husbands of the reigning Queens receive the title of Prince Consort. In Portugal, for example, according to the Law ruling at the time, the husband of a Reigning Queen was Prince Consort, until the birth of the couple's first child. After this happy event the Prince would receive the title of King.
Our last King of Portugal in these conditions was D. Fernando II (1816-1885), husband of D. Maria II (1819-1853). In other words, Portugal was way ahead of its time !!

Embed from Getty Images


Na minha opinião, o facto de ainda existir esta diferenciação hoje em dia, não contribui em nada para valores como a igualdade de género defendidas hoje amplamente. Numa situação extrema o mesmo se poderia dizer do regime monárquico, mas isso são outras lutas...
Henrik já sabia o que o esperava quando casou com uma futura Rainha. Isso não quer dizer que as coisas tivessem que continuar a ser como sempre foram. Por isso concordo com o Henrik! Mas concordo com a sua atitude?
In my opinion, the fact we still see this differentiation nowadays does not contribute at all to values ​​such as gender equality widely defended today. In an extreme situation the same could be said of the monarchist regime, but this is another struggle ...
Henrik already knew what awaited him when he married a future Queen. This does not mean that things had to continue to be as they always were. That's why I agree with Henrik! But do I agree with his attitude?

Embed from Getty Images


NÃO! Mil vezes NÃO!!! Henrik mostra um completo desrespeito pela esposa, pela constituição do país que o acolheu ( e sustenta!!), pelos privilégios que a sua posição lhe cede, pela família e pela instituição com quem casou. Concordando ou não, não é desta forma que as coisas mudam! Concordando ou não, não é desta forma que ele consegue reunir simpatia e respeito por aquilo que defende. Concordando ou não com o seu título, ele é (ou deveria ser!) acima de tudo um marido leal!
NO! A thousand times NO!!! Henrik shows a complete disrespect for his wife, for the constitution of the country that welcomed him (and supports!), for the privileges that his position gives him, for the family and the institution with which he married. Agreeing or not, this is not how things change! Agreeing or not, it is not in this way that he can gather sympathy and respect for what he stands for. Agreeing or not with her title, he is (or should be!) above all a loyal and supportive husband!

Embed from Getty Images


Por aquilo que vejo, Henrik não se move pelo reconhecimento pelo seu trabalho, ou tão pouco pela igualdade. Move-se pelo seu EGO!! Um Ego enorme que ultrapassa os limites do razoável, que passa por cima do casamento, e de valores como o respeito e o bom-senso e joga para a sarjeta a instituição que representa. Não é necessário um título para se ser boa pessoa, para fazer-se um bom trabalho, ou merecer o respeito global. Claramente, também não é necessário um titulo para reunir desagrado e perplexidade...
From what I see, Henrik does not move by recognition for his work, or so little for equality. He moves by his EGO !! An enormous ego that goes beyond the limits of the reasonable, which passes over marriage, and values ​​such as respect and common sense and throw to the gutter the institution he represents.   It is not necessary to have a title to be a good person, to do a good job, or to deserve the respect of the world. Clearly, there is also no need for a title to bring displeasure and perplexity ...

Embed from Getty Images


Egos enormes são geralmente reflexo de auto-estimas muito baixas. Com este comunicado oficial Henrik quis mostrar que não quer ser enterrado num local onde apenas os monarcas estão sepultados, porque nunca lhe reconheceram esse direito, e por isso, se não é bom o suficiente para ser Rei, também não é bom suficiente para ser enterrado ao lado da Rainha, sua esposa.
Huge egos are usually reflective of very low self-esteem. With this official statement, Henrik wanted to show that he does not want to be buried in a place where only the monarchs are buried, because they have never granted him this right, and therefore, if he is not good enough to be King, he is not good enough to be buried next to the Queen, his wife.

Embed from Getty Images

Infelizmente, e mais uma vez, dou razão ao Henrik. Margrethe merece realmente melhor. Muito melhor!! 
Unfortunately, and once again, I agree with Henrik. Margrethe deserves really better. Much better!!



Comentários

Mensagens populares